fechar
Comentar

A nova súmula do STJ sobre indenização securitária e os planos de saúde

A nova súmula do STJ sobre indenização securitária e os planos de saúde


Em maio último, o STJ fez publicar uma nova súmula sobre o pagamento de indenização securitária. Transcrevemos abaixo:



Súmula 616: A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.



Lembramos que esse tipo de súmula não é de observância obrigatória pelos julgadores, mas reflete um entendimento bastante consolidado no Tribunal, possuindo, pois, enorme força persuasiva para as demais instâncias, tribunais e juízes de primeira instância.



Com efeito, a súmula é orientação para os casos nos quais se enquadre, ou seja, serve para orientar julgamentos de litígios entre segurados e seguradoras nos mais diversos tipos de seguros, como de automóvel, residencial, imóvel comercial, de vida etc..



No caso dos contratos de planos de saúde, pelo menos desde a legislação de 1.998 não se fala mais em "seguro saúde". No entanto, as características desse tipo de contrato em muito se assemelham a um verdadeiro seguro. O próprio STJ possui precedentes tratando desse similaridade.



É sabido, também, que o art. 13, II, da Lei nº 9.656/98, que rege os planos de saúde, possui previsão específica de determinação de notificação do usuário inadimplente antes de se proceder à rescisão em caso de não pagamento.



Como visto, já havia norma específica a respeito da necessidade de notificação do inadimplente, mas, agora, com a nova súmula, surge um novo argumento para os consumidores aplicarem-na aos contratos de planos de saúde, por analogia e equidade.



Em outras palavras, em razão da reiterada jurisprudência do STJ determinando a prévia comunicação do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio para que ocorra a suspensão ou resolução do contrato de seguro, esse entendimento possivelmente será também aplicado aos contratos de planos de saúde, muito embora a súmula não seja a respeito desse tipo de contrato.



Assim, além da claridade da norma da Lei nº 9.656/98, que já era acolhida pela jurisprudência, há, agora, um novo parâmetro que pode ser emprestado como argumento a favor do usuário, trazendo uma certa redundância de proteção ao usuário e reforçando a obrigação dos planos de saúde em procederem à notificação a respeito da existência de pendência no pagamento do prêmio, de modo claro e inequívoco.


Dr. Bruno Barchi Muniz

Dr. Bruno Barchi Muniz

Advogado

Dr. Bruno Barchi Muniz - é advogado, graduado pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Santos, Pós-Graduado em Direito Tributário e Processual Tributário pela Escola Paulista de Direito (EPD), membro da Associação dos Advogados de São Paulo. É sócio-fundador do escritório Losinskas, Barchi Muniz Advogados Associados e escreve no Blog às sextas-feiras. http://lbmadvogados.com.br/

Leia também

0 comentários
Comentar
Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.