fechar
Comentar
Publicado por Emmanuel Ramos de Castro

O Poder Econômico Dita as Regras do Jogo




Luiz Carlos Trabuco e Lázaro Brandão - compraram o HSBC e querem trabalhar em paz


 


. Em entrevista ao jornal dos Frias, Trabuco, o todo poderoso do Bradesco, comemora a compra do HSBC e manda um recado aos aloprados golpistas. "Precisamos sair desse ciclo do quanto pior, melhor. Melhor para quem? Para o Brasil, não é. As pessoas precisam ter a grandeza de separar o ego pessoal do que é o melhor para o país." Coincidência ou não, nesta sexta-feira 7, a TV dos Marinhos surpreendeu com um editorial em defesa da presidenta Dilma. Antes, na quarta-feira 5, João Roberto Marinho pediu encontro com senadores do PT. Fair play? Veja abaixo, os principais trechos da entrevista do presidente do Banco Bradesco, agora, na cola do Itaú. .



A crise política é mais forte que a própria crise econômica. Isso abala a confiança e retarda a retomada. Todos os participantes desse processo ?políticos, Executivo, autoridades? têm de pensar grande. Precisamos ter a grandeza de buscar a convergência. O Congresso tem contribuído para buscar soluções ou apenas tumultua o ambiente e cria desgastes para o governo?



Eu tenho dificuldades, até pelo meu escopo de trabalho, de opinar sobre determinadas atitudes do momento. Mas precisamos sair desse ciclo do quanto pior, melhor. Melhor para quem? Para o Brasil, não é. As pessoas precisam ter a grandeza de separar o ego pessoal do que é o melhor para o país. 

(...)



Mas essa é uma inflação corretiva, que está equacionando uma diferença de preços e tem prazo para acabar. A política monetária foi executada. Nós trabalhamos com um PIB extremamente modesto, fraco até junho do ano que vem. Depois tem a retomada. Mas essa retomada será puxada pelos investimentos em infraestrutura.

(...)



O Bradesco, que é conhecido como um banco popular, passa a ser o maior do país em clientes de alta renda com a compra o HSBC. Isso não pode descaracterizar a instituição? A segmentação de clientes existe para reconhecer pela renda a evolução social que o Brasil teve e vai continuar a ter. Se desprezássemos a base da pirâmide, perderíamos nosso projeto histórico, que acredita na mobilidade social. Queremos ser eficientes para todos os clientes.

(...)



Mas há o chamado dissenso entre os órgãos do governo e o Legislativo, que parece retardar um pouco esse processo. Agora, a sua retomada é inevitável. Uma pesquisa da KPMG desta semana, sobre o humor dos investidores, mostra que o Brasil está entre os três países de preferência, porque os bônus que oferece são concretos para um mundo que está atrás de taxas de retorno. Então, o capital que está investido aqui pode dar um retorno maior e mais seguro que em outros países. Mas precisamos botar isso para funcionar. A pasmaceira tem um custo, e o custo é diluído para toda a sociedade, mesmo para aqueles setores sociais que nada têm a ver com os dissensos que estão acontecendo.

(...)



O que o sistema bancário mais deseja é que o país e a economia funcionem dentro de bases sustentáveis para construirmos o longo prazo. É evidente que a curto prazo há dificuldades, e não vamos comemorar esse PIB em recessão. O que temos de fazer é criar as pontes necessárias entre o Estado e a sociedade para que se construa uma avenida de crescimento. E o apoio para a convergência a uma serenidade no trato disso é muito importante. Os problemas econômicos se resolvem, porque são matematização de certas variáveis que podem ser consertadas. Mas os problemas políticos, não. Eles são de ideias, de ideologia, de postura. É uma energia usada para provocar calor, e hoje o país precisa de energia para provocar luz.


Leia também

1 comentários
Comentar
Claudio

O que esta matéria tem haver com o corretor? Queremos saber da adiplan, da casa do corretor X amil etc etc etc. Cadê blog o que nos interessa?

Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.