fechar
Comentar
Publicado por Blog do Corretor

Operadoras querem preço variável por perfil

Operadoras querem preço variável por perfil


Por Beth Koike | Valor



A Abramge, associação das operadoras de planos de saúde, está pleiteando à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a criação de novos modelos de convênio médico. Entre esses formatos, estão planos em que a precificação é calculada conforme o risco do usuário. Um fumante, sedentário ou que pratica atividade de alto risco pagariam um valor maior pelo plano. "No modelo atual, o risco é compartilhado entre todos. O usuário que não fuma, pratica esportes e tem uma vida saudável paga pelos demais. O seguro de carro é precificado de acordo com o risco do contratante", disse Reinaldo Scheibe, presidente da Abramge.

.

A ANS informou que "a legislação e a regulação setorial não permitem que haja discriminação com cobranças de valores de entrada diferentes em função de condições de saúde ou de hábitos do consumidor".

.

Além disso, a Abramge também quer ampliar a comercialização de plano de saúde ambulatorial em cidades de menor porte. Para isso acredita que o caminho é firmar parceria com o SUS para que os procedimentos de alta complexidade sejam realizados na rede pública. O plano ambulatorial mais simples precisa ter cobertura de consultas, terapias e exames. Na modalidade mais completa também há hemodiálise, obstetrícia e internação de 12 horas.

.

No Brasil, há apenas 1,5 milhão de planos de saúde ambulatoriais, o que representa 3% do mercado. "Já falamos com o ministro da saúde sobre a importância de uma parceria com o SUS para desenvolver o plano ambulatorial no interior", disse Scheibe. A entidade quer transferir os procedimentos mais complexos para o SUS e retirar a exigência de atendimento no prazo de sete dias com a alegação de que em cidades pequenas não há grande oferta de prestadores de serviços, o que dificulta o cumprimento dos prazos determinados pela ANS.



.

Outro pleito da Abramge ao Ministério da Saúde é a integração de dados de pacientes entre SUS e operadoras. "Com a lei de informação de dados, esse tema está ainda mais latente. Ao receber um paciente do SUS poderíamos ter seu histórico médico, não sendo necessário repetir exames, por exemplo, se houvesse essa integração.


Leia também

0 comentários
Comentar
Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.