Frase do Dia
“Pássaros criados em gaiolas acreditam que voar é uma doença.”

Alejandro Jodorowsky (cineasta, poeta, escritor e psicólogo chileno)

Para quê contrato se existe liminar?

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Rola na Mídia

11.jul.2014

Presente no SUS há mais de uma década, a crescente judicialização da saúde – busca na justiça por tratamentos – chegou à medicina privada. Só a Unimed do Brasil, maior rede de assistência privada do país – responde por quase um terço do mercado de planos – viu aumentar em 24% o número de ações judiciais nos últimos três anos. As demais operadoras não tem dados consolidados, mas confirmam alta parecida, que é bem acima do crescimento do mercado (5% ao ano).

O que preocupa o setor, porém, não é a quantidade nem o custo das ações, mas o fato de o Judiciário ter dado razão, quase sempre, ao consumidor. “Isso tem a ver com as lacunas da regulação dos planos e com a omissão da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que não fiscaliza adequadamente o setor”, diz o professor da USP Mario Sheffer, autor de um dos estudos.

Segundo ele, negativas de atendimento lideram a lista de motivos que levam o consumidor à justiça. “Os planos vão criando novas formas de burlar a lei. A Aids, quando não tinha remédio, era uma das doenças mais excluídas.” Depois, diz, tratamentos quimioterápicos passaram a liderar as ações. É esse o caso da aposentada Severa Cordeiro, 65, diagnosticada com câncer no pulmão em 2011. “A demora para marcar consulta com oncologista era coisa de três meses”, diz a filha dela, Carli Cordeiro, 41.

A família decidiu, então, ir a um hospital de referência. Consultas e alguns medicamentos começaram a ser pagos pela família; em casos de internação, o plano custeava. Conseguiu na justiça que o plano pagasse a medicação e bancasse o tratamento o tratamento em rede especializada, ao custo de R$22 mil mensais – pedido de reembolso de R$25 mil de despesas ainda não julgado.

Carli paga hoje mensalidade de R$1.200 ao plano. “É importante entrar na justiça para que os planos passem a cuidar melhor dos pacientes e criem condições para um atendimento de qualidade.” As operadoras afirmam que, normalmente, o consumidor pede procedimentos ou medicamentos não previstos com contrato ou na lei do setor ou sem registro no país. O Código de Defesa do Consumidor é a lei mais usada para embasar as decisões judiciais.

‘Há um excesso de pseudo direitos consentidos à revelia do contrato. Não sou contra nada. Desde que se combine antes”, diz Eudes Aquino, presidente da Unimed no Brasil. Para José Cechin, da Fenasaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar), ao garantir vantagem não assegurada na lei ou no contrato, o juiz deseduca o consumidor. “Ele passa a achar que pode conseguir as coisas sem pagar por elas. Deixa de se preocupar em ter um plano melhor porque confia que, no último momento, vai conseguir a decisão na justiça.”

Arlindo Almeida, da Abramge ( Associação Brasileira de Medicina de Grupo), diz que “a área da saúde tem avanço tão grande que é impossível dar tudo a todos. O dinheiro é limitado tanto no público quanto no privado.” Para as operadoras, a escalada de ações levará a uma alta de custos, que será repassada a todos os clientes. Almeida diz que, em operadoras menores, o custo da judicialização já é 2% da receita líquida.

Segundo a ANS, o total de despesas judiciais informado pelas operadoras corresponde a 0,3% do faturamento, de R$108 bilhões, em 2013: “O percentual varia em cada operadora e é equivocado fazer qualquer afirmação sobre o aumento ou impacto relevante para o setor. Cada operadora tem uma realidade.”

Adaptado da Folha

Dança das Cadeiras

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Dança das Cadeiras

9.jul.2014

Enquanto a bola rola no gramado nesta que é, indubitavelmente, a Copa das Copas, o mercado de planos de saúde aproveita para promover mais uma Dança das Cadeiras.

Quem entra no salão mais uma vez é o Grupo NotreDame Intermédica.

E vem bem acompanhado.

Com o fim do reinado do seu fundador, Paulo Barbanti, no GNDI, adquirido pelo private equity Bain Capital, em março, por cerca de R$ 2 bilhões, um novo CEO foi escolhido para o comando a partir do próximo dia 30, tornando-se assim o primeiro executivo a liderar o grupo, após a bilionária transação.

Irlau Machado Filho, que já foi vice-presidente do Banco Santender (1997 – 2002), presidente da Medial Saúde (2003 – 2005) e atualmente atua como CEO do Hospital A. C. Camargo, foi o nome escolhido pelo GNDI.

Considerado  um dos responsáveis por colocar a instituição A. C. Camargo entre as referências brasileiras no tratamento e pesquisa acadêmica do câncer, Machado trabalhará em colaboração direta com a atual equipe de gestão e os executivos da Bain Capital. O objetivo é expandir os negócios da empresa mantendo os padrões de qualidade dos planos de saúde e odontológicos.

A escolha do nome, segundo Chris Gordon, presidente do conselho de administração do GNDI, se deu em função da experiência de Machado no segmento de saúde no Brasil – diz em nota.

Algumas significativas mudanças o mercado já tem como certas:

Toninho, ex-Grupo Amil, já estaria de malas prontas para a Intermédica, enquanto a política de comissão e comercialização seriam modificadas.

Segundo informações a que tivemos acesso, a Intermédica, sob nova direção, pretende adotar o modelo Cauda Longa, abrindo códigos para pequenos produtores com um comissionamento diferenciado.

E o foco, segundo consta, seria Dix e Medial, principais adversários da Intermédica.

E os produtos e tabelas – dizem – serão desenhados de forma que a briga valerá a pena.

A Intermédica vai mexer com o mercado?

Sancionada Lei que traz benefícios para médicos e pacientes

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

7.jul.2014

Depois de ter sido aprovado em abril na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de deputados, foi sancionada e publicada no Diário Oficial da União (DOU) nessa quarta-feira, dia 25, a Lei 13.003/2014.

Ela determina a substituição dentro de um prazo de seis meses (180 dias) de prestadores, os planos de saúde (médicos, hospitais e laboratórios) descredenciados igual ou mais de 30 dias por outros equivalentes, de forma a garantir que não haja interrupção em tratamentos.

É garantido também na Lei o reajuste periódico — tanto as pessoas físicas como jurídicas – dos honorários e procedimentos dos profissionais em até 90 dias passado da data base. Caso contrário, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ficará responsável por estabelecer o índice de reajuste. Isto dará mais estabilidade ao profissional, bem como segurança aos pacientes.

Se a Lei estabelece vantagens para o profissional, também concede ao paciente, usuário do plano de saúde. Dentre os direitos do paciente está a proibição de descredenciamento súbito, sem aviso prévio. Tanto operadora quanto prestador de serviço deverá comunicar com pelo menos 30 dias de antecedência a intenção de desligamento — para que o paciente possa prosseguir com o tratamento -, e a substituição do profissional deverá privilegiar o mesmo nível de competência.

A lei permite ainda à ANS constituir câmara técnica para análise do cumprimento do pleno das determinações. O grupo deverá ser formado de forma equilibrada, ou seja, representação proporcional de ambas as partes.

Fonte: ANS

O Blog na Copa

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

3.jul.2014

Em nenhum momento este blogueiro duvidou da capacidade de o Brasil realizar uma Copa do Mundo.

Não só estávamos certos, como tivemos de vencer uma onda que vibrava numa sintonia negativa.

Nada mais justo, então, do que fazer parte deste espetáculo.

Nesta manhã de quinta-feira (03), estamos a caminho de Fortaleza.

Sexta-feira (04), a nossa presença está garantida no camarote da Qualicorp, na Arena Castelão.

Vamos ver de perto Brasil x Colômbia.

Munidos de máquina fotográfica, registraremos tudo.

Desde as personalidades no camarote, até a performance do Neymar em campo.

A sorte está lançada.

O Comunicado e as cadeiras

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

2.jul.2014

Assinado pelo diretor Norberto Birman (Grupo Amil), circulou no mercado, no dia de ontem, um Comunicado no qual foram corroboradas as informações antecipadas pelo Blog do Corretor na mais frenética Dança das Cadeiras.

“Com o objetivo de otimizar os nossos processos, a Amil está promovendo uma importante reestruturação em sua área comercial” – diz o Comunicado. “A partir de agora, vamos concentrar nossas operações de vendas PME, Adesão e PF em nossa Unidade de Vendas situada na Rua da Consolação, 247 – 4º andar – Centro-SP” – diz.

A Nota informa ainda que “A partir do dia 08/07/2014, toda a sua produção de vendas deverá ser entregue nesse endereço”, concluiu.

E enquanto o mercado tenta se acostumar com essa “reestruturação de novos tempos”, cadeiras já são ocupadas por diretores que abraçaram outros projetos.

É o caso do veterano Anselmo Martins, que, após 23 anos de Amil, levará consigo todo seu expertise para a Health For Pet ao lado do Dr. Fernando Leibel.

Quarta-feira (16/07),  será oferecido aos corretores, um grande evento para marcar o lançamento do novo plano dirigido a consumidores não convencionais.

Marcos Buzzo, comenta-se, já é dada como certa a sua ida para a Intermédica.

E assim as cadeiras vão se acomodando e o mercado se modificando, se reinventado…

Operadora inova e lança portal para marcação de consultas

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

2.jul.2014

A partir do mês de julho, os beneficiários da Ameplan Saúde já podem agendar as suas consultas da rede referenciada, através da internet. O novo Site da Ameplan inclui um exclusivo Portal Digital, que possibilita a marcação de consultas em tempo real, de uma maneira simples e rápida.

O lançamento do Portal Digital e o serviço de marcação de consultas pelo Site está sendo comemorado com muito entusiasmo pela Ameplan, pois representa um divisor de águas na área de tecnologia, confirmando a entrada definitiva da Ameplan na era do Atendimento informatizado, dentro de sua meta de ser reconhecida no mercado pela Qualidade do Atendimento ao seus Beneficiários.

Trata-se de um serviço moderno, e que prevê muitas ampliações para oferecer diversos outros atendimentos online aos usuários, dentre os quais, inclusive, a marcação de exames e a emissão de guias, sem necessidade do cliente sair de casa e se deslocar até a Operadora. Um leque de possibilidades para facilitar o uso do Plano de Saúde e garantir uma qualidade inigualável aos serviços oferecidos.

O novo Site e o Portal Digital da Ameplan  estão no ar desde 1º de Julho e podem ser conferidos clicando AQUI.

Super Dança das Cadeiras

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

1.jul.2014

.No embalo das festas juninas, mais do que uma Dança das Cadeiras, a Amil promoveu um verdadeiro festival de dança no seu departamento comercial.

Poderia ser uma dança ao som de Vivaldi, Strauss… mas parece que foi mesmo ao som do Lepo Lepo.

Sim, nunca antes na história deste mercado, tanta gente boa havia dançado no mesmo salão e ao mesmo tempo:

Marcos Buzzo, Anselmo Martins, Toninho, Clayton (PJ), Juliana Macambira… e mais pares estão sendo chamados para dançar.

Choque de gestão?

A Seguros pôs o pé no freio e a CNU recolheu os flaps

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Nota

1.jul.2014

.
Depois de a Unimed Seguros suspender a comercialização dos produtos PME, de 01 até 04 vidas, agora foi a vez da Central Nacional das Unimeds.

Só que, no caso da CNU, a decisão causou um impacto ainda maior no mercado. Para não usar a expressão, estrago.

Na última sexta-feira (27), enquanto os vendedores se preparavam para assistir a mais uma exibição da nossa Seleção nesta Copa das Copas, a Central Nacional das Unimeds suspendia a comercialização de todo seu projeto adesão, por intermédio das neo-administradoras de benefício.

E o Lima foi limado

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Por Dentro da Política

29.jun.2014

O Sincoplan, o sindicato que mexeu com o mercado de planos de saúde, conseguiu o mais difícil – que foi a sua Certidão Sindical -, mas teve absoluta dificuldade de realizar o que parecia mais fácil: unir os corretores.

Cinco anos depois de constituído, o Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde e Odontológicos do Estado de São Paulo, parecia agonizar em praça pública.

Imerso em dívidas e sob o espectro até mesmo de ter de fechar as portas de sua sede, o Sincoplan, desolado, sacou a única bala que lhe restava na agulha.

Depois de ter se filiado a Sindicatos menos expressivos e até à Força Sindical, do sindicalista conhecido como pelego, o tal Paulinho da Força, alvo de denúncias do Ministério Público, hoje, apoiando a candidatura do tucano Aécio Neves (PSDB-MG), o Sincoplan finalmente parece ter recebido a sua “carteira de identidade”.

Filiado agora a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Sincoplan teve de perder para ganhar.

A poderosa Central assumiu as dívidas do Sincoplan, mas exigiu, como condição sine qua non, uma espécie de choque de gestão.

Assim, em reunião de diretoria, recentemente, ficou decidido, por ampla maioria, que o presidente Carlos Lima será afastado das funções que envolvem o relacionamento com as operadoras e  Corretoras de planos de saúde.

Agora, até mesmo quaisquer declarações do presidente, terá de passar pelo crivo da CUT.

Os reais motivos que levaram a perda de poder do presidente foram, entre outros, o fracasso da Convenção Coletiva do setor pela maioria das Corretoras ligadas à Acoplan, a entrevista de um advogado publicada neste Blog e reproduzida posteriormente no Jornal da Saúde (veja AQUI), além das reiteradas e ácidas críticas feitas em editoriais neste Blog do Corretor. (Veja uma delas, AQUI).

Ao presidente, caberá, agora, atuação nas questões de cunho político social. A partir de agora, Carlos Lima não mais se  envolverá nos assuntos relacionados às contribuições sindicais tampouco àquelas que se referem às empresas; funções estas delegadas agora ao escritório jurídico ligado à CUT a quem está reservada também as questões políticas e o fator de crescimento e reconhecimento da entidade sindical.

A Central Única dos Trabalhadores, conhecida pela seriedade, organização e competência, já sinaliza com medidas que certamente vão gerar impacto no mercado:

- Declaração e assinatura das Corretoras e corretores, deixando os profissionais decidirem pelo recolhimento ou não da contribuição sindical;

- Medidas a serem tomadas quanto às contribuições sindicais obrigatórias e não pagas pelo setor;

- Ação de cobrança das contribuições sindicais em aberto das Corretoras, operadoras e corretores;

- Ação referente ao não pagamento de contribuição do corretor aposentado e/ou com idade superior a 59 anos;

- Cadastramento gratuito do corretor junto à Prefeitura.

Agora é para valer; e o mercado deverá se preparar para o que vem pela frente.

O Sincoplan se salvou.

E o mercado?

Quem salvará?

Mais mudanças na Amil

Autor: Blog do Corretor | Categoria: Macarrão com Blog

29.jun.2014

Há alguns dias noticiamos aqui a informação de que Marcos Buzzo entraria na Dança das Cadeiras que ocorreria em breve no Grupo Amil.

Pois bem, este dia está chegando.

Julho – segundo confidenciou ao Blog uma das nossas fontes – será o mês durante o qual uma nova área comercial será desenhada na maior operadora de planos de saúde do País.

Nomes tão importantes quanto o de Buzzo, em julho, entrarão na dança; e junto com eles, gestores também serão tirados para dançar.

Fortalecido, Fernande Félix vai comandar sozinho o comercial, enquanto a Intermédica, segundo consta, estaria se preparando para receber alguns nomes.

Em particular, aquele simpático figurão que por lá já passou.

Julho promete.

Página 16 de 105« Primeira...10...1415161718...304050...Última »