fechar
Comentar
Publicado por Blog do Corretor

Setor de odontologia aposta em redes populares para crescer

Setor de odontologia aposta em redes populares para crescer


Ortodontia, implantes e estética puxam crescimento do mercado



Há alguns anos, o setor de saúde vem se mostrando um destaque da economia do Brasil. Em 2015, as franquias brasileiras do segmento de Odontologia, Estética e Medicina faturaram R$ 2,5 bilhões.



Mais recentemente, o setor de odontologia tem se tornado a grande aposta de investidores e empreendedores, considerando que, segundo o Conselho Federal de Odontologia (CFO), o Brasil concentra 15% de todos os dentistas do mundo. São mais de 550 mil profissionais da área espalhados pelo território nacional. Nos últimos anos, o mercado odontológico seguiu em franca expansão apesar da crise financeira que acomete o país, tendo faturado mais de R$ 38 bilhões, ainda de acordo com o CFO, o que o levou a conquistar a quarta posição no mercado de higiene bucal mundial.



A principal tendência identificada no setor é o sucesso de redes de clínicas populares, que oferecem atendimento odontológico a preços moderados. É o que aponta Sérgio Aronis, fundador da Dentalis Software, que fornece soluções tecnológicas de gestão de consultórios odontológicos desde o início dos anos 90: "Vimos um aumento muito grande na quantidade de redes populares de odontologia, que se tornaram nossos principais clientes. Isso ficou muito claro nos últimos 3 anos, em que a Dentalis cresceu mais de 30% ao ano mesmo em meio à crise, muito devido a essas redes".



Tendências do setor



A dentista Kellen Oliveira, cliente da Dentalis e sócia-proprietária de 14 clínicas da rede Dentista Popular, espalhadas pelos estados do Ceará, Pernambuco e Bahia, percebe que um dos vetores do crescimento do setor tem sido a popularização de procedimentos básicos, como próteses, cujo tíquete médio gira em torno de R$ 500. Ela afirma que viu a competição crescer nos últimos anos, o que enxerga como mais um sinal de que o mercado está atraindo novos players. Para Oliveira, será essencial apostar em marketing digital e ações nas redes, já que o setor ainda engatinha nesse sentido.



Um reflexo do aumento da competitividade é o avanço da profissionalização do setor de odontologia, já que é preciso apostar em processos de gestão eficientes, atendimento ao consumidor e insumos tecnológicos para oferecer um serviço diferenciado.



Philipe Gouvea, dono do Grupo Clínicas Inteligentes, que atende principalmente a classe C e tem como campeã em atendimentos a categoria de ortodontia, percebe que os pacientes de hoje estão mais bem informados do que os de antigamente e buscam tratamentos mais completos por saberem da importância da saúde bucal.



Gouvea menciona ainda o grande salto em procedimentos estéticos identificado nos últimos 3 anos, desde que foram criadas as lentes de contato odontológicas, que acarretam também em facetas, coroas e clareamento, entre outros. Essa percepção vai de encontro com o dado divulgado pela SBOE de crescimento de 300% na procura por tratamentos estéticos.



Para o empresário, a competitividade no setor nasce também do fato de que investidores passaram a fazer aportes na área, gerando um nível de concorrência maior e exigindo que os consultórios deixem de operar de maneira "caseira" e invistam em gestão eficiente e profissional.



Luis Filipe Silva, dono da rede Amigo Odontologia, notou o aumento da procura por implantes, principalmente pelo público idoso. Outros procedimentos como facetas e clareamento, categorias nas quais a rede vem investindo cada vez mais, tem atraído pacientes de todas as idades. Silva também destaca o aumento da concorrência e a necessidade de profissionalizar e humanizar o atendimento, além da aquisição de soluções tecnológicas que otimizem a operação.



Outro fator que puxou o desenvolvimento das redes populares foram os planos odontológicos. A categoria segue crescendo, ao contrário do que aconteceu com os planos de saúde – que perderam 3 milhões de clientes nos últimos 3 anos, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo (Sinog), 2,6 milhões de pessoas contrataram planos odontológicos nos últimos dois anos, o que representa um crescimento de 12,60% no período.



As fusões e aquisições do setor também estão aquecidas. Em agosto de 2018, a OdontoPrev, um dos grupos mais conhecidos no mercado brasileiro, realizou a aquisição da empresa Odonto System, no Ceará, por R$ 201,6 milhões. Mais cedo, em abril, a Septodont, líder mundial em anestésicos injetáveis para odontologia, havia adquirido a DLA, fabricante de anestésicos. Agora em outubro, o Grupo São Francisco, efetuou sua segunda aquisição em cinco meses, absorvendo a São Lucas Saúde, com 70 mil usuários e forte atuação no interior de São Paulo. Em maio, a São Francisco Odonto arrematou a Oral Brasil Planos Odontológicos, com 30 mil beneficiários. A operadora está entre as duas melhores em planos odontológicos do Brasil e faz parte do Grupo São Francisco, que também conta a São Francisco Saúde, quarta maior operadora de medicina de grupo do País; São Francisco Resgate, líder nacional de resgate rodoviário; e a São Francisco Saúde Ocupacional.



Tíquete médio



Em 2016, o mercado odontológico movimentou cerca de 15 bilhões de reais e a evolução de ticket médio por paciente em 2018 comparado com 2016 superou a marca de 25%, sendo que mais de 55% do faturamento das clínicas está concentrado em procedimentos estéticos.



A Dentalis, que oferece a plataforma de SaaS mais completa para a gestão de processos de agendamento, pagamento e armazenamento de fichas de pacientes de mais de 17 mil clínicas em todo o Brasil e conta com uma base de 4 milhões de vidas, identificou que a média de gasto anual com procedimentos odontológicos em 2017 ficou em R$ 730, sendo que o maior gasto médio per capita foi identificado em Santa Catarina (R$2.225) e o menor no Maranhão (R$ 182). Em São Paulo o valor ficou em R$ 613, no Rio de Janeiro em R$ 701 e os pacientes de Minas Gerais gastaram em média R$ 662 no ano.


Leia também

2 comentários
Comentar
Jonas B. de Oliveira

Muito interessante, eu uso o dental como espoleta. Ou caso com o saúde ou o saúde faço casar com o dental. É tiro certeiro na venda.

Hubble

Excelente matéria. Bom se todos os corretores lessem esse texto. Parabéns!!!

Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.