fechar
Comentar
Publicado por Blog do Corretor

Willis Towers Watson e o escritório Mattos Filho Advogados realizam evento sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais e a segurança cibernética

Willis Towers Watson e o escritório Mattos Filho Advogados realizam evento sobre a  Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais e a segurança cibernética


Especialistas tiraram dúvidas e apresentaram as soluções de segurança com

base na nova Lei que entrará em vigor em fevereiro de 2020



No final de outubro, a Willis Towers Watson trouxe especialistas internacionais em riscos cibernéticos, que se uniram aos do Brasil para expor e debater em conjunto com advogados do escritório Mattos Filho a nova Lei de Proteção de Dados Pessoais e a segurança cibernética. Em dois dias (24 e 25 de outubro) foram abordados aspectos como mitigação dos riscos, redução de custos e a importância de se engajar as pessoas na proteção das organizações. Clientes da banca e da consultoria e corretora de seguros participaram das discussões.



Erika Graciotto, Leader of Employee Insights da Willis Towers Watson, falou sobre como o comportamento dos empregados impacta diretamente o risco cibernético. Segundo o estudo Claims Index realizado pela companhia em 2017, a negligência ou os atos maliciosos dos colaboradores são responsáveis por mais de 58% das violações cibernéticas. “Apesar desse alto índice, os departamentos de recursos humanos das empresas brasileiras ainda não estão preocupados e/ou envolvidos com o tema de cibersegurança. Segundo o estudo de clima e engajamento de 2017, realizado pela Willis Towers Watson com mais de 261 empresas brasileiras, apenas 4% tem como prioridade o tema “riscos cibernéticos”. Nos Estados Unidos esse índice é de 66%”, complementa a executiva.



Especificamente sobre seguros, Elizabeth Gurney, Cyber Product Champion Latin America e Ana Albuquerque, gerente de linhas financeiras da Willis Towers Watson, apresentaram as principais características do seguro no mundo e principalmente no Brasil. As executivas explicaram as coberturas da apólice de riscos cibernéticos além de pontuarem que o produto é uma importante ferramenta do programa de cibersegurança de uma empresa, cobrindo riscos que praticamente não podem ser prevenidos ou mitigados. Segundo Elizabeth, o mercado global de prêmios do seguro de ciber é de cerca de 3 bilhões de dólares e a expectativa é que em 2023 esse mercado seja de cerca de 17 bilhões. “Segundo estimativas, os custos dos ciberataques irão custar 6 trilhões de dólares para a economia global em 2023, ou seja, as empresas precisam se preparar para rever questões relacionadas a pessoas, tecnologia e seguros, para os desafios que virão pela frente”, finaliza Elizabeth.



Já o advogado e sócio do Mattos Filho, Paulo Brancher, apresentou em detalhes diversos pontos da nova legislação que entrará em vigor em fevereiro de 2020. Além disso, fez comparativos com a General Data Protection Regulation (GDPR), lei europeia que passou a vigorar em maio deste ano. Segundo Brancher, as empresas precisam começar a se preparar, mesmo ainda faltando 16 meses. “A nova legislação vai impor uma série de desafios para as organizações, como acertos em contratos com fornecedores, integração de sistemas, entre outros”, explica o advogado.


Leia também

0 comentários
Comentar
Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.