fechar
Comentar
Publicado por Blog do Corretor

Unimed Brasil e o cooperativismo em tempos de pandemia

Unimed Brasil e o cooperativismo em tempos de pandemia


Por Orestes Pullin



A progressão da pandemia do novo coronavírus entre as comunidades globais se constitui em um desafio sem precedentes para governos, empresas, entidades não-governamentais e sociedade civil. Sua natureza é obscura e não sabemos ainda mensurar a escala e a duração de seus impactos socioeconômicos, bem como não há um amplo consenso científico acerca de seu tratamento e cura.



Diante deste cenário, hospitais públicos e privados têm empenhado esforços consideráveis para dar conta da demanda extraordinária por atendimento a pacientes acometidos pelo vírus. Contudo, mesmo as melhores iniciativas têm tido dificuldade para mapear as múltiplas necessidades das comunidades, sobretudo em um País de dimensões continentais como o Brasil, onde cada localidade apresenta uma realidade distinta.



Seja no provimento de medicamentos e equipamentos de proteção individual até na manutenção contínua de quadros de profissionais nas linhas de frente de atendimento, definir e acelerar as ações necessárias ao combate da COVID-19 não são tarefas fáceis. Neste sentido, podemos identificar saídas para a inovação e o suprimento das necessidades dos brasileiros por meio da atuação das cooperativas de saúde, as quais, por sua natureza, tradicionalmente contribuem com o País em diferentes frentes.



Todas as cooperativas, independentemente de seus ramos, são regidas por sete princípios fundamentais, linhas orientadoras por meio das quais levam os seus valores à prática. O sétimo deles diz respeito ao interesse pelas comunidades, onde as cooperativas devem investir, por meio de políticas aprovadas por seus membros, no desenvolvimento sustentável das cidades e regiões nas quais estão inseridas. Preza-se essencialmente por aportes em projetos economicamente viáveis, ambientalmente corretos e socialmente justos.



No contexto da saúde, isso significa zelar pela integridade das populações locais ao mesmo tempo em que se contemplam projetos para aumentar o acesso às principais inovações da assistência médica, entendendo e levando em consideração as necessidades específicas de cada localidade. E isto, no cenário atual de pandemia, nunca foi tão vital.



O Brasil, por sua diversidade demográfica e proporções, verifica evoluções distintas dos índices de contágios em suas regiões, assim como as diferenças socioeconômicas configuram cenários particulares. Vemos grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro empregando recursos para dar conta da grande demanda que recai sobre eles, enquanto cidades e estados com estruturas mais modestas podem encontrar dificuldade para absorver tantos pacientes de uma vez. Cada uma delas necessita de um plano de ação particular que contemple suas realidades e demandas específicas.



No Sistema Unimed, que abrange 84% do território nacional, encontramos diversos exemplos de como as cooperativas têm ajudado. Em Belo Horizonte, por exemplo, a cooperativa local foi uma das pioneiras no País na implantação de soluções de telemedicina, registrando entre março e junho mais de 20 mil atendimentos. A iniciativa foi tão bem-sucedida que seu conhecimento foi requisitado pela Prefeitura com vistas em replicá-lo e disponibilizá-lo, também, aos pacientes do SUS.



Já em Porto Alegre, a Unimed arrecadou 10 toneladas de alimentos que foram repassadas para a Campanha do Agasalho de seu respectivo governo municipal, em uma ação de escala notável. Ainda, esta cooperativa é co-financiadora de um estudo pioneiro da Universidade Federal de Pelotas (RS), que realiza um trabalho de testagem da população gaúcha visando estimar o percentual de infectados pelo novo coronavírus no estado. O levantamento, ainda em andamento, visa entender a evolução do vírus para oferecer direcionamentos para seu combate.



Há também a iniciativa da Unimed Crateús (CE), que reforçou a quantidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), adquiriu cerca de 6 mil máscaras cirúrgicas e N95, 100 protetores faciais, 248 macacões impermeáveis, 600 jalecos impermeáveis e outros itens como toucas e luvas. Já a Unimed Grande Florianópolis (SC) comprou mais de 525 mil máscaras de tecido para entregar gratuitamente aos clientes e doar à comunidade.



Há também o Movimento Saúde e Ação, que vem arrecadando recursos para doações a famílias em situação de vulnerabilidade durante a pandemia e contempla iniciativas dos Institutos Unimed, que centralizam e organizam projetos de cunho social nas comunidades locais assistidas nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Norte.  Por fim, a Unimed do Brasil lançou recentemente o Painel Unimed COVID-19, uma ferramenta de domínio público para a consulta diária dos dados epidemiológicos referentes ao comportamento da doença no Brasil, servindo como base para que gestores públicos e privados possam ter melhor clareza em suas tomadas de decisões.



O elo das cooperativas com a sociedade é muito forte. Seu modelo econômico é baseado na união das pessoas com um mesmo objetivo. Destacam-se principalmente por atuar em favor da sustentabilidade e do desenvolvimento econômico e social da comunidade. E com o fortalecimento da economia colaborativa em tempos de pandemia, têm ganhado cada vez mais espaço.



Infelizmente, ainda não vislumbramos uma cura para a COVID-19. Mas valores como cooperação, diversidade, liberdade e responsabilidade, no sentido de promover o acesso de qualidade às melhores soluções de saúde a cada vez mais pessoas, seguirão presentes neste momento desafiador.





Orestes Pullin é presidente da Unimed do Brasil


Leia também

0 comentários
Comentar
Carregar mais

Deixe seu comentário Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.