Corretor é condenado à prisão por fraude na venda de plano de saúde

Emmanuel Ramos de Castro

Emmanuel Ramos de Castro

Neste tipo de golpe, o criminoso lesa o beneficiário cobrando-lhe mensalidade em valor superior (como se fosse plano individual), porém o insere em apólice coletiva de empresa fantasma (como se ele fosse empregado ou sócio desta)

Fonte: Migalhas

BRASÍLIA – A juíza de Direito Edioni da Costa Lima, da 1ª vara Criminal de Ceilândia/DF, condenou um corretor de seguros a dois anos, quatro meses e 24 dias de reclusão, acrescido de 115 dias-multa, por praticar golpe na venda de plano de saúde conhecido como “falso coletivo”. A pena será cumprida em regime semiaberto em razão da reincidência.

Neste tipo de fraude, o criminoso lesa o beneficiário cobrando-lhe mensalidade em valor superior (como se fosse plano individual), porém o insere em apólice coletiva de empresa fantasma (como se ele fosse empregado ou sócio desta) mediante documentação falsa de vínculo societário e empregatício.

No caso em questão, o MP denunciou o corretor pela obtenção de vantagem ilícita, auferida entre outubro de 2016 e abril de 2017, consubstanciada por meio de prática fraudulenta na falsa contratação de plano de saúde coletivo (empresarial), em prejuízo da vítima, pessoa idosa, e seguradora de saúde, conduta que encontra correspondência no art. 171, caput, do Código Penal.

Pela análise dos autos, a juíza concluiu que a materialidade e autoria dos delitos foram satisfatoriamente esclarecidas e demonstradas.

“A prova do estelionato e da autoria do acusado na respectiva prática delitiva é, portanto, é robusta, restando patente que o réu se utilizou do ardil consubstanciado em viabilizar contratação fraudulenta em nome da vítima.”

Por esses motivos, estabeleceu a pena, em regime semiaberto, em dois anos, quatro meses e 24 dias de reclusão, acrescida de 115 dias-multa. Condenou, ainda, o corretor ao pagamento de R$ 11.930,01 em favor do plano de saúde vítima da fraude.

O escritório Fragoso Advogados participa do caso.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Deixe um comentário

Você pode optar por ficar anônimo, usar um apelido ou se identificar. Participe! Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, caluniosa, bem como conteúdo meramente comercial. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

4 comentários em “Corretor é condenado à prisão por fraude na venda de plano de saúde”

  1. Cátia Wellausen

    Gente trabalhamos com VIDA, e não com um produto descartável( mesmo que assim fosse,), imperdoável esse abuso de interesses…além de ser corretora sou também beneficíaria.
    Lamentável, que tenhamos uma classe , muito ainda Promíscua….acredito que assim como este País, precisamos de leis, que funcionam, de fato….

  2. Dr Kissy Dani

    Bom dia!
    A operadora que aceitou o contrato fraudolento é conivente, responsabilidade solidária…simples assim.

    Abraços Fraternos

  3. PARA MIM ERROU TEM QUE PAGAR TODOS SOBRE INFELIZMENTE PRINCIPALMENTE NO MERCADO DE SAUDE PELA FALTA DE REGULARIZAÇÃO ATE OS HONESTOS PAGAM O PREÇO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JORNALISTA

Emmanuel Ramos de Castro
Amante da literatura, poesia, arte, música, filosofia, política, mitologia, filologia, astronomia e espiritualidade.

Categorias

Veja Também:

Fale com o Blog!